Pai

Seu Maurício num momento "dona de casa" (rs)

Pouquíssimas pessoas sabem que eu conheci meu pai aos 3 anos de idade. Após 7 meses de namoro com a minha mãe, eles resolveram casar, já com uma irmãzinha pra mim a caminho (a Cárile). Lembro vagamente das visitas dele à minha mãe na casa de meus avós, mas lembro claramente do casamento deles, em que eu dei fiasco ao chorar compulsivamente na porta da igreja - achava que minha mãe ia embora com o "Maurício" e ia me abandonar.

Passada a lua de mel, eles voltaram e o meu medo não se concretizou. Lembro de irmos até o bairro Jardim Esplanada - onde passei a infância - para ver uma casa e, no caminho, eu perguntei a ele "Posso chamá-lo de pai?" E foi assim que, na minha cabecinha, oficialmente, "Seu Maurício" virou "Pai".

Ele é e sempre será meu exemplo, assim como minha mãe. Exemplo de ética, de humildade, de ser humano. O que eu sou, para o bem e para o mal, tem o dedo dele. Por causa dele, tenho as imagens mais lindas da infância: as brincadeiras, as correrias, a tranquilidade... 

Pai não tem nada a ver com genes; tem a ver com amor. E a vida me deu o melhor pai que eu poderia ter. E sou muito grata por isso.

Te amo muito, Pai.

Beijos!

Comentários

.lívia. disse…
adorei essa foto do seu pai! o meu está longe, mas já liguei pra ele :)
nossa, eu tbm to SUPER nessa fase de batom coral! quero tds q vejo pela frente :)
Stéphanie disse…
Legal a sua história, bem bacana essa foto, acho que são poucos os homens que fazem trabalhos de casa, bom, pelo menos o meu pai não faz :S

bjj

http://tvfabulous.blogspot.com/
Denise Mercedes disse…
Linda sua homenagem Dáfni!
Seu pai é um homem de sorte!
Felicidades!
Bjs
Dáfni disse…
Lívia, coloquei esta foto justamente porque ela simboliza a pessoa que ele é: companheiro, solícito, sem preconceitos! O meu também está longe, em Curitiba...

E batom coral passou a ser uma obsessão... que coisa! (rs)

Stéphanie, obrigada! A foto é legal mesmo, acho que ele nem sabe que eu tirei ela (ou não lembra). Mas ele sempre ajudou em casa, sempre dividiu os trabalhos caseiros com a minha mãe. Daí que aprendi, desde pequena, que não há diferença entre os sexos quando se fala em cuidar da casa, dos filhos, do trabalho...

Denise, obrigada! Ele e eu temos muita sorte...

Beijos
Helena disse…
Oi Daf,
Que lindo o seu depoimento!
Todas nós tivemos a grande sorte de ter o "seu Maurício" como nosso pai, o papi!! Grande exemplo de caráter, sempre muito presente em todos os momentos mais importantes da nossas vidas.
Também amo muito você, papi!
Um grande beijo e parabéns pelo blog, está muito legal!
Dáfni disse…
EEEEHHH, minha irmãzinha no blog! Falou e disse, Heleninha, temos que ter muito orgulho do papi.

Beijos
Karen Lommez disse…
Lindo seu post, suas palavras... sou emotiva e já estou aqui com olhos cheios de lágrimas... vi meu pai hoje, acabei de chegar da casa dele. É muito bom ter nossos pais por perto. O segundo marido da minha avó paterna também foi um grande avô, que criou a mim e aos meus irmãos, tamanha nossa convivência. Me lembro como ela ficou emocionado quando eu disse que ele era mais meu avô do que o pai do meu pai (não que esse não fosse querido, mas convivemos mais com o outro). A vida é assim, o que conta no final é quem está do nosso lado, é quem nos ama e nos apoio independente de qualquer coisa. bj
Dáfni disse…
Oi Karen!

E eu que escrevi o post chorando? Eu sou assim também, e quando estou sensível, as lágrimas rolam com muita facilidade...

Pois é, vc tem razão, o que conta é quem está do nosso lado, independente dos laços de sangue...

Beijos
Aninha disse…
Ai, que lindo, Dáfni!!!
Eu tb acho que pai não é só aquele que tem o mesmo sangue, mas aquele que te dá carinho, que cuida da gente...
Bjo
Pri Sganzerla disse…
Li, me acabei de chorar e fiz meu marido vir aqui ler também.

Não só porque fiquei emocionada com a sua forma afetuosa de escrever sobre ele, mas também porque sua história tem algumas semelhanças com a da minha filha.

Ela é filha do meu 1º casamento. Conheceu meu marido com 2 aninhos. E nos casamos quando ela tinha 3. Meu marido tem o mesmo nome do seu pai. E ela também começou a chamá-lo de pai espontaneamente, por decisão própria. E chama de "papi" de vez em quando, como vi sua irmã e vc fazerem nos comentários.

Como mãe, eu fiquei profundamente emocionada por te ver falar assim do seu pai. Mostrando que o amor vai muito além do sangue. Deus queira que quando adulta, minha filha se sinta como vc também. Ela adora o Mauricio e é sempre a ele que ela se refere quando alguém pergunta por seu pai.

Parabéns pro seu papai pelo depoimento que ele ganhou!

E eu agradeço sua exposição porque ela me fez muito bem indiretamente, por ter pontos em comum com o que eu vivo.

Beijos!
Dáfni disse…
Aninha, obrigada! E sim, a gente vive cercada de gente que nos faz bem e que amamos e não tem o mesmo sangue que a gente - namorados, amigos, maridos...

Beijos
Vanessa disse…
Dafni,

Lindo texto e parabens pelo Seu Mauricio pelo dia dos pais e por ter uma filha de alma com um coracao e carater tao nobre!

Bjs
Dáfni disse…
Pri, puxa... fico emocionada! Eu já sabia da história da sua filha, pelos posts que vc escreve...

Não foi sempre fácil assim encarar esta situação, porque no meu caso tem algo de diferente, que é o fato de eu não saber quem é meu pai biológico. Não sei e não conheço porque foi uma opção tanto dele como da minha mãe. Ele nunca me procurou, e eu sempre tive receio de magoar meus pais perguntando sobre ele. No começo até fingia que não tinha curiosidade, mas quando cresci perguntei à Mãe, e ela me contou tudo. Mas mesmo assim, acho que não ganharei nada indo atrás dele.

Quando era pequena eu fazia de tudo para esconder esta história, mentindo pras amigas sobre quando meus pais casaram. Medo de ser rejeitada, de terem pena de mim... Hoje me orgulho muito disso, desta história, e não me escondo mais atrás de mentiras. Mas como disse, nem sempre foi fácil.

Beijos
Dáfni disse…
Van, obrigada! Vc sempre muito gentil e querida...

Beijos
Pri Sganzerla disse…
Dáfni,

Imagino que não deva ter sido fácil... Porém o mais importante é que vc se apropriou da sua história e pôde fazer essa homenagem linda! Seguir com a verdade traz mais leveza pro coração. :-) Beijos!
Dáfni disse…
Pri, com certeza. A verdade liberta!

Beijos
Madame Maura disse…
Meu Deus, que coisa linda!
Será que haverá um Maurício pra Inês também?
Obrigada pelo texto, Dáfni :)
Dáfni disse…
Pela torcida, Maura, ela vai ter um sim!

De nada! E obrigada pelo carinho!

Beijos
Nossa Dáfni!
Um texto escrito com a alma, não tem como não se emocionar.
E amor, apesar de não se explicar, a gente sente quando é de verdade. Feliz dia dos pais (que são todos os dias, né?) para o "Seu Maurício", e parabéns a ele por ter criado uma pessoa tão linda quanto você!
Beijos!
Dáfni disse…
Obrigada Carlinha! Também fico emocionada com o seu carinho...

Beijos

Postagens mais visitadas